Caboclo - Repositório Institucional UFRB CCS - Centro de Ciências da Saúde PPGSPNI - Programa de Pós-Graduação em Saúde da População Negra e Indígena CCS - PPGSPNI - Dissertações/TCC
Please use this identifier to cite or link to this item: http://ri.ufrb.edu.br/jspui/handle/123456789/2686
metadata.dc.type: Dissertação
metadata.dc.degree.level: Mestrado Profissional
Title: “A gente acaba sendo ferida pela própria segurança”: adoecimentos e cuidados na trajetória de vida de jovens negros(as) da periferia de Juazeiro-BA
metadata.dc.creator: Silva, Eugamma Coelho da
metadata.dc.contributor.advisor1: Souzas, Raquel
metadata.dc.contributor.referee1: Santos, Diana Anunciação
metadata.dc.contributor.referee2: Lopez, Laura Cecilia
metadata.dc.contributor.referee3: Santos, Amália Nascimento do Sacramento
Citation: SILVA, Eugamma Coelho da. “A gente acaba sendo ferida pela própria segurança”: adoecimentos e cuidados na trajetória de vida de jovens negros(as) da periferia de Juazeiro-BA. 2023. 147 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Saúde da População Negra e Indígena) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Santo Antônio de Jesus, 2023.
metadata.dc.description.resumo: A juventude negra e periférica sofre inúmeras violações de direitos, incluindo o próprio direito de existir com dignidade e acesso ao bem viver. Neste contexto, compreendemos que equipamentos sociais públicos destinados a territórios de maior vulnerabilidade e riscos sociais, materializam políticas públicas e direitos sociais geradas por movimentos sociais e gestadas pelo SUAS. A ética que perpassa as políticas implementadas pelo CRAS precisa ater-se à construção do espaço e mitigar sofrimentos decorrentes da descaracterização e silenciamento das subjetividades dos que têm cor e histórias comunitárias específicas. O presente estudo buscou, por meio das memórias pessoais-profissionais e do trabalho de escuta de cinco jovens, em idades de 19 a 23 anos, sendo três mulheres e dois homens, autodeclaradas/os negras/os e moradoras/es do bairro Tabuleiro, em Juazeiro/BA, compreender, a partir da perspectiva destas/es jovens, os mecanismos de exclusão e adoecimentos que atravessam o cotidiano da periferia, identificar possíveis recursos de resistência e (auto)cuidado e, necessidades específicas relatadas por elas/es. Para compreensão do corpus de dados analisados fez-se uso da autobiografia e do método hermenêutico-dialético que nos ajudou a pensar os fenômenos sociais abrangentes, multifacetados que permeiam o cotidiano das/dos jovens residentes na periferia urbana do Tabuleiro. A análise das narrativas aponta para uma vivência frequente e intensa de múltiplas violências, que produzem desamparo social e adoecimentos emocionais, tais quais depressão, ansiedade e tentativa de suicídio demarcando a importância de uma psicologia que considere o entrecruzamento dos sistemas de opressão com base no gênero, raça e na classe social. Tais opressões se apresentam nas narrativas das/os jovens moradores da periferia como marcadores, que precisam ser balizados para que haja cuidado efetivo e integral. Em contraponto, as/os jovens desenvolvem tecnologias de autocuidado, lançam mão de recursos de proteção frente às violências, construindo resistências. As políticas públicas, neste cenário de exclusão, apresentam sérias limitações de desempenho. Entendemos, a partir deste estudo, a importância das políticas públicas integradas a partir da interseccionalidade de raça, classe, gênero, orientação sexual, religião e território. Como desdobramento dessa pesquisa, visando contribuir para pensar “jeitos de cuidado” integral e localizado nos seus territórios, foi confeccionado um cordel ilustrado sobre interseccionalidade, a partir dos elementos observados nas narrativas das/os jovens para ser distribuído nas escolas, UBS e CRAS do bairro Tabuleiro, especialmente para as/os profissionais destas políticas.
Keywords: Serviço de saúde mental comunitária
Jovens negros
Periferia (Tabuleiro)
Juazeiro (BA)
Política de saúde mental
Abstract: Black and peripheral youth suffer numerous violations of rights, including the very right to exist with dignity and access to good living. In this context, we understand that public social facilities destined for territories of greater vulnerability and social risks, materialize public policies and social rights generated by social movements and managed by SUAS. The ethics that permeate the policies implemented by CRAS need to stick to the construction of space and mitigate suffering arising from the mischaracterization and silencing of the subjectivities of those who have specific community color and histories. The present study sought, through the personal professional memories and the listening work of five young people, aged between 19 and 23 years, three women and two men, self-declared blacks and residents of the Tabuleiro neighborhood, in Juazeiro/BA, to understand, from the perspective of these young people, the mechanisms of exclusion and illnesses that cross the daily life of the periphery, to identify possible resources of resistance and (self)care and, specific needs reported by them. In order to understand the corpus of analyzed data, autobiography and the hermeneutic-dialectical method were used, which helped us to think about the broad, multifaceted social phenomena that permeate the daily lives of young people living in the urban periphery of Tabuleiro. The analysis of the narratives points to a frequent and intense experience of multiple violences, which produce social helplessness and emotional illnesses, such as depression, anxiety and suicide attempts, highlighting the importance of a psychology that considers the intersection of oppression systems based on gender, race and social class. Such oppressions are presented in the narratives of young people living in the periphery as markers, which need to be marked out so that there is effective and comprehensive care. In contrast, young people develop self-care technologies, use protection resources against violence, building resistance. Public policies, in this scenario of exclusion, have serious performance limitations. Based on this study, we understand the importance of integrated public policies based on the intersectionality of race, class, gender, sexual orientation, religion and territory. As a result of this research, aiming to contribute to thinking about “ways of care” that are integral and located in their territories, an illustrated string on intersectionality was made, based on the elements observed in the narratives of the young people, to be distributed in schools, UBS and CRAS of the Tabuleiro neighborhood, especially for professionals in these policies.
metadata.dc.subject.en: Community mental health service
Young black men
Periphery (Tabuleiro)
Juazeiro (BA)
Mental health policy
Publisher: Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
metadata.dc.publisher.department: CCS - Centro de Ciências da Saúde
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação em Saúde da População Negra e Indígena
Issue Date: 3-Jul-2023
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::MEDICINA
CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA::SAUDE PUBLICA
metadata.dc.rights: Acesso Restrito
URI: http://ri.ufrb.edu.br/jspui/handle/123456789/2686
Appears in Collections:CCS - PPGSPNI - Dissertações/TCC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Gente_Acaba_Sendo_Dissertacao_2023.pdf
  Until 2025-05-31
36,41 MBAdobe PDFView/Open Request a copy


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.